A Supermoto, empresa de Cantanhede e importadora nacional da KSR Moto, participou na última edição do Portugal de Lés-a-Lés, fazendo alinhar 2 Brixton BX 125 X Scrambler, colocando à prova a mais recente aposta em termos de representação para o nosso país, assim como uma KSR Moto GRS 125.

Esta edição do LaL, como se sabe, foi uma das mais quentes de sempre, obrigando pilotos e máquinas a rodarem quase sempre com temperaturas acima dos 40º, tendo chegado mesmo aos 47º.

Como nos explica Nuno Neves, Director Geral da Supermoto “ Os nossos motores de 125 cc foram testados em condições limite! Foram mais de 1100 km, em três dias, maioritariamente através de estradas secundárias, curvas e mais curvas, montes e vales, por vezes em troços com piso degradado, empedrados, terra batida, etc. Mais de 11 horas, em média, de condução diária, incluindo as paragens, sempre no limite das rotações do motor, sempre a curvar e a travar no limite, para tentar acompanhar o mais possível as motos de alta cilindrada, as quais estão em maioria neste evento. A certa altura, o condutor de uma moto de 1200 cc dizia: “Se o motor não partir hoje, com este calor, não parte nunca mais”. O que havíamos de dizer nós, com pequenos motores de 125 cc… Mas as nossas máquinas aguentaram na perfeição: nem uma lâmpada fundida, nem um parafuso desapertado, não foi necessário atestar o óleo do motor. Apenas metemos gasolina, pouca, muito pouca, o consumo das Brixton ficou abaixo dos 3 litros, a GRS um pouco mais, pois era a versão do ano passado, ainda de carburador, e fomos lubrificando a corrente da transmissão. Nada mais! As motos nunca perderam rendimento, mesmo com o motor a ferver! A posição de condução das motos revelou-se extremamente confortável, principalmente as Brixton, a GRS tem uma posição de condução um pouco mais desportiva mas ainda assim bastante aceitável para mototurismo. Os travões nunca perderam eficácia, a travagem combinada das Brixton foi uma preciosa ajuda, as suspensões mostraram-se eficazes e confortáveis. Nas estradas com curvas mais fechadas as motos grandes, mais pesadas, não nos conseguiam acompanhar… bons chassis, assentos confortáveis, muito boa aderência dos pneus. Foi uma experiência muito agradável. Ao longo do percurso as nossas motos foram despertando a curiosidade dos outros participantes do Lés a Lés, bem como dos expectadores presentes, merecendo comentários muito positivos.”

Brevemente, teremos a oportunidade de testar as novas Brixton e apresenta-las com mais detalhe aos nossos leitores, nas páginas da Motojornal.

Mais informações em www.supermoto.pt

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here