Suzuki SV 650 X, Fonte da juventude

A Suzuki SV650X é uma variante da muito bem conhecida naked SV, cuja juventude parece ser eterna. Alia eficácia, facilidade de condução e muita diversão.

Suzuki SV650X
Texto: Vitor Martins
Fotos: Rogério Sarzedo

A Suzuki SV 650 é como os diamantes: eterna. Apesar de pequenas actualizações ao longo dos anos, a pequena bicilíndrica remonta já ao século passado, tendo surgido em 1999. Porém foi bem nascida e ainda hoje, quase 20 anos depois do seu lançamento original, tem características que fazem dela uma moto muito popular em todo mundo. Tecnicamente pouco mudou ao longo dos anos.

DESTAQUES

Cilindrada: 645 cc
Potência: 75 CV/8.500 rpm
Binário: 63,7 Nm/8.100 rpm
Peso: 198 kg
Preço: 7.399 €

A base continua a ser o motor bicilíndrico a 90°de 645 cc, que passou a ser ‘Dual Spark’ em 2007 e em 2017 recebeu o ‘Low RPM Assist’, para arranques mais fáceis. Tirando isso, e a adaptação à actual norma Euro 4, permanece praticamente inalterado, debitando uns simpáticos 75 cavalos de potência máxima (está disponível em versão A2, limitada a 35 kW/48 cv). Os corpos de acelerador do sistema de injecção são de 39 mm de diâmetro e são controlados pelo sistema Suzuki Dual Throttle Valve. Isto significa que uma das borboletas é controlada pelo condutor (através do acelerador, naturalmente) e outra pelo ‘computador’, de modo a maximizar as capacidade do motor perante as mais diversas situações. O motor é montado agora num quadro tubular (em vez do estampado usado anteriormente) em treliça, e de um modo geral, mantém-se o comportamento ágil e fácil que a SV 650 sempre teve.

  FICHA TÉCNICA

MOTOR E TRANSMISSÃO

Tipo dois cilindros em V a 90°, 4T, refrigerado por líquido, duas árvores de cames à cabeça, quatro válvulas por cilindro.
Cilindrada 645 cc
Diâmetro/Curso 81 x 62,6 mm
Potência máxima 75 cv/8500 rpm
Binário máximo 63,7 Nm/8100 rpm
Alimentação Injecção electrónica, corpos de Ø39 mm
Transmissão Final Corrente
Escape 2-1
Embraiagem multidisco em banho de óleo
Caixa de velocidades seis velocidades

CICLÍSTICA

Quadro treliça em tubos de aço
Pneu dianteiro 120/70-17”
Pneu traseiro 160/60-17”
Suspensão dianteira forquilha telescópica, Ø41 mm, curso n.d.
Suspensão traseira monoamortecedor, curso n.d.
Travão dianteiro dois discos de Ø290 mm, ABS
Travão traseiro disco simples com ABS

PESO E DIMENSÕES

Largura máxima 760 mm
Altura 1090 mm
Altura do assento 785 mm
Distância entre eixos 1445 mm
Ângulo n.d
Avanço n.d.
Peso a cheio 198 kg
Capacidade do depósito 14,5 l

Suzuki SV650X, a “neoretro”

Esta versão X é uma variante café racer/retro/desportiva. É proposta apenas nesta decoração de dois tons, com uma pequena carenagem de farol, assento com costuras transversais, avanços em vez de guiador, pousa-pés pretos e forquilha dianteira ajustável em pré-carga.
Os avanços proporcionam uma posição de condução mais desportiva, com o tronco inclinado para a frente e o peso suportado pelos braços. O assento está a 785 mm, por isso é muito fácil chegar com ambos os pés ao chão. Graças ao sistema ‘Easy Start’, basta um toque no botão de arranque e o bicilíndrico acorda prontamente para a vida. Mesmo com o escape original o som do V2 é muito interessante em aceleração, e contribui para as emoções e boas sensações que se vivem a bordo da SV.
Ao fim de alguns quilómetros percebemos porque é que a Suzuki tem mudado muito pouco na SV 650. Acertaram logo à primeira em 1999 e em equipa vencedora não se mexe. A SV 650 X é diferente apenas na decoração e na posição de condução. De resto mantém tudo o que fez da SV uma moto muito bem sucedida em todo o mundo – embora não muito em Portugal, incompreensivelmente.

Apesar do peso de aproximar dos 200 kg, a Suzuki SV 650 X é ágil e muito divertida de conduzir, com o peso bem distribuído. O motor empurra bem desde baixo e as rotações sobem alegremente a cada solicitação do acelerador. Aliás, o motor da SV é um dos grandes responsáveis pelo sucesso e longevidade da SV. É como se a Suzuki o banhasse frequentemente na fonte da juventude. Potência q.b., boa aceleração, ausência de vibrações, fácil de usar, e ainda por cima pouco sedento, com média a rondar os 4 litros de gasolina por cada 100 km. A ciclística trata do resto, para um comportamento eficaz e divertido. Mesmo sem recorrer a componentes topo de gama, o conjunto de suspensões está apto para qualquer tipo de andamento em qualquer tipo de piso, num excelente compromisso entre conforto e firmeza.

Divertida e polivalente

A posição de condução contribuiu para a dose de divertimento numa estrada sinuosa, mas pode tornar-se cansativa em utilização diária em meio urbano. Tirando isso, a SV 650 X está perfeitamente à vontade no trânsito, sendo muito fácil de levar, com uma embraiagem de funcionamento suave e com o auxílio do Low RPM Assist. Assim que começamos a largar a manete da embraiagem o sistema faz subir ligeiramente a rotação, tornando os arranques à prova de aselha; nunca deixamos o motor calar-se. Proposta por 7399 € a Suzuki SV 650 X parece continuar a ser um valor seguro. É verdade que parece desafiar a continuidade espaço-temporal, ao ser uma moto ‘antiga’ numa versão moderna com aspecto retro. Mas qualquer preconceito que se possa ter em relação ao factor ‘antiguidade’ da SV é dissipado pela sua competência dinâmica. É uma moto muito actual, agora com uma roupagem da moda e que continua a fazer felizes muitos motociclistas em todo o mundo.