A nova família Tiger 800 aumenta o patamar de qualidade, com mais de 200 melhorias tanto na ciclística como no motor. A Tiger 800 tem muita tecnologia nova, que melhoram as prestações e a capacidade de serem práticas numa utilização quotidiana. O motor tricilíndrico de 800 cc foi revisto, tendo agora uma menor inércia, o que garante uma reacção mais imediata a cada solicitação do acelerador electrónico (ride by wire). A potência gerada é agora de 95 cv, a que se juntam seis modos de condução e diferentes respostas do mesmo. Fomos até Marrocos, para em dois dias de teste percebermos o que realmente melhorou nesta renova trail da Triumph.

[cq_vc_hotspot image=”8416″ position=”25%|40%,25%|30%,52%|70%,70%|25%,78%|25%,57%|55%,45%|22%,80%|65%,” circlecolor=”#ffffff”][hotspotitem]

Triumph Tiger 800
Painel de instrumentos TFT a cores regulável que disponibiliza informação clara e instantânea durante a viagem. Até seis modos de condução, incluindo o novo modo ‘Off-Road Pro’ da linha XC, que desliga o ABS e o controlo de tracção para configurar a Tiger mais focada no off-road que alguma vez existiu.

[/hotspotitem]
[hotspotitem]

Triumph Tiger 800
Para melhor protecção contra o vento, as Tiger 800 de características médias e superiores são equipadas com um novo pára-brisas com cinco posições de regulação, bom como novos difusores aerodinâmicos que garantem maior conforto para o condutor e passageiro.

[/hotspotitem]

[hotspotitem]

Triumph Tiger 800
A nova transmissão, continua a ser por corrente no final, tem uma 1ª velocidade mais curta para uma resposta mais imediata e melhor tracção. Um novo sistema de escape mais leve coroa as prestações com uma sonoridade “triple” bem envolvente.

[/hotspotitem]

[hotspotitem]

As jantes das Tiger 800 XR são de alumínio com uma unidade de 19″ de diâmetro, mais focadas para o uso em estrada

[/hotspotitem]

[hotspotitem]

Triumph Tiger 800
As jantes das Tiger 800 XC são de raios com a jante dianteira com 21″ de diâmetro, mais focadas no offroad

[/hotspotitem]

[hotspotitem]

Triumph Tiger 800
O motor da Tiger de 800 cc de cilindrada foi desenvolvido para maior débito imediato de potência e uma potência máxima de saída de 95 PS, reforçando a personalidade típica da Triple.

[/hotspotitem]

[hotspotitem]

Triumph Tiger 800
Iluminação integral exclusiva com luzes LED que melhora a visibilidade diurna e nocturna, com farol principal em LED , iluminação traseira, indicadores de mudança de direcção, luzes de funcionamento diurno

[/hotspotitem]

[hotspotitem]

Triumph Tiger 800
As suspensões WP de longo curso orientadas para um uso fora de estrada são as que equipam as versões XC enquanto que nas XR a opção recai sobre unidades Showa, mais focadas para o uso em estrada.

[/hotspotitem][/cq_vc_hotspot]

  FICHA TÉCNICA

MOTOR E TRANSMISSÃO

Tipo 3 cilindros, 4 tempos, refrigeração líquida, DOHC, 4 válvulas
Cilindrada 800 cc
Compressão 11,3:1
Potência máxima 95 CV/9.500 rpm
Binário máximo 79 Nm/8.050 rpm
Alimentação Injecção electrónica, sequencial multiponto
Escape Sistema de escape 3-1
Embraiagem Multidisco, banho de óleo
Transmissão final corrente
Caixa de velocidades 6 velocidades

CICLÍSTICA

Quadro tubular em aço
 Braço oscilante Duplo braço em alumínio fundido
Pneu dianteiro XRT: 100/90-19
XCA: 90/90-21
Pneu traseiro 150/70-17
Suspensão dianteira XRT: Forquilha invertida Showa de 43 mm, 180 mm de curso
XCA: Forquilha invertida WP de 43 mm, 220 mm de curso
Suspensão traseira XRT: Monoamortecedor Showa, 170 mm de curso
XCA: Monoamortecedor WP, 215 mm de curso
Travão dianteiro discos flutuantes de 305 mm, pinças Brembo, ABS comutável
Travão traseiro disco de 255 mm, pinça Nissin, ABS comutável

PESO E DIMENSÕES

Altura XRT: 1350 mm
XCA: 1390 mm
Altura do assento XRT: 810 – 830 mm
XCA: 840 – 860 mm
Distância entre eixos XRT: 1530 mm
XCA: 1545 mm
Angulo direcção XRT: 23,8 º
XCA: 23,4 º
Avanço XRT: 86,6 mm
XCA: 93,5 mm
Peso em ordem de marcha XRT: 202 kg
XCA: 208 kg
Capacidade do depósito 19 lt

PREÇOS

Triumph Tiger 800 XR 11.000 €
Triumph Tiger 800 XRx 12.550 €
Triumph Tiger 800 XRt 14.350 €
Triumph Tiger 800 XCx 13.450 €
Triumph Tiger 800 XCA 14.850 €
Site  http://www.triumphmotorcycles.pt/

Dois felizes tigres

Diga depressa: um tigre, dois tigres, três tigres…! Este trava-línguas descreve na perfeição o que se vive dentro do motor da nova Triumph Tiger, os três cilindros, três tigres a explodir com rapidez a gasolina e a darem-nos uma experiência que muito pouco tem a ver com travar o que quer que seja. O nome Tiger é um dos mais queridos da marca, já está no mercado desde 1936, quando a Triumph lançou a Tiger para os ISDT, International Six Days Trials, nos quais ganhou por três vezes a medalha de ouro. Na nova vida da Triumph, iniciada em 1991 pela mão de John Bloor, a Tiger regressou em 1993 como uma maxi trail de 900cc, ainda no conceito modular que a marca tinha para produzir os seus modelos. A primeira 800 nasce em 2010, surgindo logo com duas gamas distintas, uma mais estradista, a XR (apesar da designação ter vindo mais tarde), e outra mais aventureira, a XC, a pensar no fora de estrada. Apesar do forte impacto no mercado, a XC esteve sempre debaixo de alguma críticas devido às características do motor no todo o terreno e também à posição de condução demasiado estradista. A Triumph repensou a sua gama Tiger na totalidade para 2018, apresentando de uma assentada a nova 1200 (que testámos na edição passada) e as novas 800, que divergem cada vez mais uma da outra, para que o foco esteja na experiência diferenciada que cada motociclista pretende para a sua companheira de aventura.

 

Tiger 800, duas gamas

A Triumph fez mais de 200 alterações na Tiger 800, a maioria é transversal aos dois modelos, com o objectivo de obter melhor ergonomia, mais tecnologia, melhorar o carácter e sonoridade do motor e elevar a qualidade percepcionada do produto. A nível mecânico, a caixa de velocidades foi mudada, passando a ter uma primeira velocidade mais curta e sendo revistas todas as folgas entre engrenagens, conseguindo-se mais precisão e menos inércia. O escape é todo novo, com um fluxo de gases melhorado e uma ponteira mais pequena que aumenta a sonoridade do mesmo. O quadro e restante ciclística foram amplamente revistos, mudando a posição de condução e toda a ergonomia do modelo. Na componente tecnológica, o novo TFT domina a atenção do piloto, com muita informação e possibilidade de escolha da apresentação da mesma. Novo “joystick” para controlar todos os novos modos de condução e restantes funções, muito mais intuitivo, fácil de usar e retro-iluminado. Faróis de led e muitos mais confortos, como bancos e punhos aquecidos nos modelos topo de gama. Há quatro modelos da XR, desde a entrada de gama, passando pela XRx normal e baixa, terminando na topo de gama XRt. Nas XC há apenas dois modelos, a XCx e a XCa.

E se pudesse andar com a Tiger 800 na neve?

Destino aventura

Para o primeiro contacto com as novas 800, a Triumph levou-nos até Marrocos, a porta da aventura para quem sai da Europa. Ficámos bem perto do Atlas, que no inverno significa muito frio e neve, que claro está, apanhámos! As condições dos dois dias de teste foram bastante duras, com o primeiro dia de estrada a ter períodos de chuva e o segundo de off-road, apesar do sol ter aparecido, a ter algumas partes bastante enlameadas e escorregadias. Mas estas britânicas nasceram numa ilha debaixo de tempo complicado e enfrentam tudo com muita facilidade. A XR continua a ser uma moto excelente. Muito focada na estrada e no conforto que uma trail estradista consegue oferecer a quem a conduz, a XR é confortável, previsível e sempre muito aprumada em tudo o que faz. O motor está ainda mais cheio e linear, puxando muito bem de baixas e com menos hesitações que o anterior. Nota-se com clareza o trabalho a nível da caixa e escape, com mais precisão no engrenamento e uma sonoridade mais grave e audível vinda da ponteira. A travagem está num nível excelente, fácil de dosear e com muita potência, ajudando e muito a superar os muitos perigos de uma estrada marroquina cheia de pedras, lama e água. As suspensões da XR são fornecidas pela Showa e têm um papel muito importante no conforto da moto. São mais moles que as WP da XC, mas têm uma leitura muito boa da estrada só perdendo capacidade quando o terreno piora drasticamente. A posição de condução contínua a ser estradista, inclinando o corpo um pouco para a frente, mas resultando bem no ataque às curvas. O novo écran, largo e com deflectores laterais, é regulável em altura, em cinco posições, de forma muito fácil, que pode ser feita em andamento apenas com uma mão, está bem desenhado e protege muito bem o condutor. Nota-se a preocupação com a melhoria da qualidade, tudo em ambos os modelos está bem montado e com materiais de qualidade, sendo o novo TFT e comandos uma prova disso mesmo.

Aventura à séria

Se a XR tem uma evolução previsível, melhora o seu comportamento estradista e capacidades turísticas e de dia a dia, o que a torna na melhor opção para quem quer uma trail para estrada com capacidades para fazer alguns estradões, já a XC dá muitos passos em frente na sua missão de se tornar uma verdadeira moto de aventura. Em primeiro lugar a Triumph finalmente corrigiu a posição de condução da XC e agora sentamo-nos numa trail de aventura. Os pés estão no sítio, os braços estão no sítio e podemos enfrentar o que aparecer, seja sentados, seja em pé. Pela primeira vez a marca homologou a utilização de pneus mistos e os Pirelli Scorpion Rally foram os escolhidos. Se na estrada a XC é super competente em tudo, a curiosidade residia no que passou a fazer fora dela e a surpresa foi excelente. Os dois modos de motor Off-Road e Off-Road Pro estão disponíveis, se bem que o Pro é outro nome para Old School, pois todas as ajudas electrónicas são desativadas. No modo Off-Road, ficamos ainda com ABS na frente e um pouquinho de controlo de tracção, que pode ser uma ajuda em terrenos que envolvam maior precisão do acelerador para os menos experientes. Depois de rodar com ambos, penso que o Pro só deverá ser escolhido quando o condutor for muito experiente, porque o outro dá liberdade para nos divertirmos em maior segurança. A suspensão WP faz uma leitura muito boa do terreno e sem ter uma altura gigante é fantástica na maioria das situações, embora num ou dois saltos tenha chegado ao fim do seu curso. Ainda assim, ajuda bastante a colocar a tracção dos três cilindros na terra e aí trabalha muito bem. A grande maioria das trail de aventura tem apenas dois cilindros, tornando-se uma “norma” na classe, na realidade parece-me que há vantagens em dois momentos, nas descidas pronunciadas, onde se “calam” com menos facilidade, obrigando a Triumph a um maior jogo de embraiagem e na passagem de obstáculos inesperados, como um rego ou uma vala, em que é necessário rodar punho e puxar o guiador, mas fiquei muito surpreendido com o tri e com a forma como a electrónica o ajuda a ser endurista. O que lhe falta em saída imediata de baixas, compensa em tracção e na forma como empurra a moto para a frente, com power slides gigantes e nas subidas parece que vamos a ser empurrados por uma mão invisível, com uma resposta a médias rotações brilhante. A ciclística está muito boa, a moto parece pequena e leve debaixo de nós e não há nada que mereça uma crítica mais objectiva, sendo a Tiger XC finalmente uma trail aventura de pleno direito, uma moto a considerar por todos os que querem fazer uma utilização mista da moto.

Tigresa

Com a XR a evoluir como modelo de referência e a XC a ganhar uma nova alma aventureira, as Tiger 800 dão um salto enorme na qualidade e usabilidade das duas gamas. A escolha será difícil, mas claramente mais motociclistas poderão ter a moto que melhor se encaixa no seu estilo de vida e condução, as Tiger estão preparadas para tudo!